Teixo – Taxus baccata L.

O Teixo (Teixo-europeu) é uma espécie de conífera (Taxus baccata L.) pertencente à família das Taxaceae. É uma árvore autóctone de crescimento muito lento que ocorre naturalmente na região temperada do Hemisfério Norte, incluindo em Portugal. Como espécie dioica é representada por povoamentos que incluem árvores masculinas, que produzem inflorescências, e árvores femininas que exibem falsos frutos (semente é envolvida por um arilo carnudo de cor vermelha).

Em Portugal o Teixo é considerada uma espécie reliquial estando a sua distribuição restrita à Serra da Estrela e à Serra Peneda-Gerês.

Desde tempos longínquos que o Teixo é utilizado pelas sociedades humanas na mitologia, como símbolo de morte e de vida (usada para ornamentar cemitérios europeus pela sua elevada longevidade, associada à imortalidade), bem como em utensílios dado a sua madeira ser de muito boa qualidade, flexível, dura e resistente. Estas características físicas têm tido aplicabilidade na produção de pequenas peças de mobiliário, de arcos e flechas e de instrumentos musicais. Adicionalmente, o Teixo revelou-se também de valor incalculável pela produção de taxanas (uma mistura letal de alcaloides) das quais se isolou um produto, o paclitaxel (taxol), uma poderosa droga utilizada na indústria farmacêutica na produção de medicamentos para o tratamento de alguns tipos de cancro (ovários, pulmão, mama, etc…).

O Projeto Life Taxus implementado pela Quercus é um Projeto LIFE Natureza (LIFE12 NAT/PT/000950), cofinanciado a 75% pelo instrumento financeiro LIFE+ da União Europeia, cuja vigência decorreu entre junho de 2013 e dezembro de 2016. Teve como objetivo contribuir para a recuperação deste habitat prioritário [9580 *Florestas Mediterrânicas de Taxus baccata], preservando a diversidade do mosaico florestal autóctone, melhorando as áreas existentes e incrementando a sua área de ocupação ao abrigo da Rede Natura 2000. Este projeto foi implementado nos Sítios de Importância Comunitária onde ainda existe este habitat em Portugal, nomeadamente no Parque Natural da Serra da Estrela e no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

A intervenção na Serra da Estrela teve por objetivo o incremento da área de ocupação dos bosquetes de Teixo, com a plantação de cerca de 16500 de exemplares de diferentes espécies (teixos, carvalhos, azevinhos e tramazeiras) em 15,4 ha, complementada pela melhoria do estado de conservação em 5 ha de baldios comunitários. Na Serra Peneda-Gerês a melhoria do estado de conservação deste habitat teve lugar em 55 ha de terrenos do Estado sob gestão do ICNF.

Neste último caso, os trabalhos incidiram na redução da carga combustível, através do controlo da vegetação natural existente, diminuindo o risco e propagação de incêndios, aumentando a acessibilidade e capacidade de intervir atempadamente num eventual incêndio florestal e promovendo a regeneração natural dos teixos bem como a proteção dos teixos existentes em prol de uma floresta autóctone mais resiliente e resistente aos incêndios e alterações ambientais.

 Isabel Garcia Cabral