MÃOS À HORTA

A ligação do Homem com a natureza remonta ao seu aparecimento à superfície da Terra. Trata-se de uma necessidade básica que começou com a procura de alimentos para assegurar a sua sobrevivência. Nos primeiros tempos, alimentava-se com o que encontrava à sua volta, mas cedo começou a perceber que teria que cultivar os seus próprios alimentos. Por isso foi obrigado a deixar a vida nómada e a fixar-se em locais propícios à produção dos seus mantimentos, passou então a reger-se por uma vida sedentária.

Com o aumento e desenvolvimento das áreas urbanas, o contacto do Homem com a natureza tem vindo a regredir, mas a sua ligação à terra e à natureza teimam em persistir e quer seja em hortas/jardins, em canteiros ou em vasos, nas nossas casas há sempre uma planta/flor que nos alegra a vida. Mais recentemente, as hortas urbanas, que atualmente são moda, constituem uma forte realidade em muitas cidades e vilas de Portugal, permitindo o renascer dessa ligação ancestral. A área e o número destas hortas urbanas têm vindo a crescer, de ano para ano, e as populações procuram-nas cada vez mais, não só porque aí podem obter alimentos “mais naturais” e económicos, vocacionados para dietas mais saudáveis, mas também onde é possível praticar exercício físico e combater o stress, pela prática da jardinagem.

Passar a produzir alguns alimentos é uma atividade muito compensadora, pois permite levar para a cozinha produtos a baixo custo, evitando o recurso a pesticidas químicos, logo mais seguros para a saúde e, em regra, mais saborosos. Naturalmente, haverá um incremento no consumo de vegetais, tão benéfico para a saúde, e um maior controlo sobre a alimentação e sobre a qualidade do ambiente.

Para incentivar e ajudar a criar e a cuidar da horta ou jardim, por menor que seja o espaço disponível, foi recentemente publicado pela Publindústria (Agrobbok) e a Associação Portuguesa de Horticultura (APH) o livro ‘Mãos à horta’, da autoria de 15 autores, pertencentes aos Órgãos Sociais da APH de 2009 a 2014. Pondo em prática os conhecimentos transmitidos ao longo do livro, poderá o leitor ter à mão legumes, flores e frutas produzidos em pequenos canteiros, em vasos ou no quintal.

‘Mãos à horta’ é composto por quatro capítulos em que no primeiro se apresenta um conjunto de 15 textos em torno do tema ‘Compreender a horta e o jardim’, em que além da importância da biodiversidade, da ecologia e da economia da horta/jardim, informa o leitor sobre o que fazer quando se quer iniciar uma horta/jardim, com as diferentes tarefas e operações culturais necessárias ao sucesso dos mesmos. Seguem-se quatro textos (capítulo II) na temática, ‘Como multiplicar as plantas?’, sobre sementeira, estacaria, enxertia e reenxertia, que integram o segundo capítulo.

O capítulo III, com o título ‘Como cultivar?’, apresenta mais 54 artigos, dos quais 17 se incluem na secção ‘Legumes e cogumelos’, quatro na de ‘Plantas aromáticas e medicinais’, 17 na de ‘Frutos’ e na de ‘Plantas ornamentais e flores’ 16 artigos.

O quarto capítulo, ‘A horta, o jardim e a saúde’, compreende cinco artigos na ótica da sustentabilidade da horta/jardim e da alimentação, além da vertente social e terapêutica da Horticultura.

A informação contida nestes artigos é sucinta, mas necessária e suficiente para aprender a produzir plantas. No entanto, para leitores interessados em aprofundar os seus conhecimentos nestas temáticas, sugerem-se, no final do livro, recursos bibliográficos e informáticos e até algumas visitas e passeios ao ar livre. Completa o livro um glossário de termos técnicos.

A adoção de pequenas mas eficientes alterações das atitudes quotidianas, quer na escolha de produtos “saudáveis” para a alimentação, quer na prática de uma jardinagem mais ecológica, poderá contribuir para a construção de um futuro melhor.

Não esquecer que a palavra de ordem é ‘Mãos à horta’ e partilhe esta forma descontraída de ocupar os seus tempos livres com a família e os amigos, pois o desejo dos autores do ‘Mãos à horta’ é que o leitor do livro passe a ser um horticultor/jardineiro ativo e divulgador dos benefícios da horta/jardim.

Boas leituras!

 Maria Elvira Ferreira e Graça Barreiro

(Coordenadoras do ‘Mãos à horta’)