Guarda-rios, o raio azul…

O Guarda-rios (Alcedo atthis) é umas aves mais bonitas e exuberantes da nossa avifauna!

Ocorre em todo o território nacional continental e é mais comum nas regiões do litoral e abaixo dos mil metros de altitude.

As suas características anatómicas e os seus comportamentos fazem com que em Portugal esta ave seja conhecida, variando de região para região, por mais de vinte diferentes nomes comuns!

Pode ser observado em praticamente todos os cursos de água, estuários, lagoas e albufeiras, sendo que apesar de ser Residente, em determinadas alturas do ano, há populações que se deslocam para procurar melhores condições de nidificação, sobretudo as que passam o Inverno nos estuários e lagoas costeiras, na grande maioria de margens muito baixas. O ninho é construído pelo casal que escava num barranco de areia ou arenoso, sobre a água ou afastado, um túnel com cerca de 60 a 70cm de comprimento e com uma galeria no fundo. O túnel tem uma pequena inclinação para cima, no sentido da entrada para a galeria, de modo a que a água da chuva não inunde o ninho e a galeria é escavada de forma a que fique mais baixa que o túnel, evitando assim que os ovos rolem para fora do ninho. Por vezes fazem os ninhos em locais menos comuns, como por exemplo, escavando entre as pedras de xisto do interior de um poço!

Alimenta-se sobretudo de peixes e pequenos crustáceos que captura peneirando sobre a água e depois mergulhando, ou a partir de um poleiro sobre a água mergulhando directamente sobre a presa sem peneirar.

Em média, desde que sai do poleiro até ao seu regresso com a presa, demora cerca de 4 segundos. Depois de chegar ao poleiro bate violentamente com a presa no ramo de maneira a matar ou atordoar para que seja mais fácil colocá-la na posição correcta para a engolir: a cabeça primeiro, ou seja, no sentido das escamas, o que facilita a sua ingestão.

O macho também tem este cuidado quer ao oferecer à fêmea um peixe na altura do acasalamento, quer ao alimentar as crias… pronto a ser engolido!

Para além de um bico especializado possui características ao nível da visão que lhe permitem medir com precisão as distâncias dos poleiros à água e fazer as correcções necessárias aos problemas criados pela refracção da luz na água, tendo por isso uma alta taxa de sucesso de captura à primeira tentativa!

Muito territoriais, por vezes os machos lutam até à morte por afogamento de um deles! A maior parte das vezes umas exibições com posturas corporais muito características ou umas perseguições evitam as lutas.

As cores da cabeça, dorso e asas, que variam entre o azul-turquesa e o verde-esmeralda dependendo da quantidade, qualidade e angulo de incidência da luz e a sua velocidade, lembram-nos um raio azul quando sobrevoa, em rasante, os cursos de água!

O livro “Guarda-rios… o raio azul” do fotógrafo da natureza Carlos Rio, com mais de 100 fotografias, revela todos os segredos desta espécie e fornece dicas para a sua observação ou para a fotografar!

Carlos Rio